quarta-feira, 9 de julho de 2008

Se somos assim, não é por acaso.

Como nos casamentos medievais, ele estava prometido desde cedo para a dama de vermelho. Apesar de não ser imposto, era quase natural. Uma decisão para a vida inteira. Na alegria ou na tristeza, na saúde ou na doença, com chuva ou com sol, em Bagé, São Paulo ou Tóquio. Mas não. Decidiu trair a rubra prometida, e casou-se desde cedo com a mais ardente das amantes. Amante sim, pois é capaz de proporcionar os maiores gozos de uma vida inteira, mas é brutal em tempos nebulosos. Vem e vai, como se não pertencesse aos que com ela se casam. E na verdade não pertence, pois é um amor sem fronteiras, sem domínios.

Daquele dia em diante, Bob nunca mais teve certeza da vitória, mas nunca deixou de acreditar. Foi quando ganhou a sua primeira camisa do Grêmio.

(por Rafa Farina)

4 comentários:

Rafael disse...

obrigado pelo espaço gente.
obrigado Deus por não me deixar cair em tentação e torcer pelos moranguinhos da beira do rio.
e, principalmente, obrigado a todos os volantes de contenção que já atuaram pelo time do Grêmio.

"SER GREMISTA É O SONHO DELIRANTE DE NÃO CONSEGUIR SER NA VIDA OUTRA COISA"

RF

rodrigolink disse...

esperava a roberta close em algum lugar... mas mesmo sem textículos, foi muito bom!

Rafael disse...

Um contículo cujo tema é amor não pode ter como personagem a Roberta Close. Eu até ia achar legal uma piada colocando ela no meio (ou no meio dela), mas preferi deixar a cargo do Marcus...Como ele não vai ler aqui mesmo, não corro o risco de apanhar. kkkkkkk

Marcus Santiago disse...

Rafael... eu vou bater em ti....